kurupí akärakú paraguay akärakú kurupí paraguay akärakú paraguay akärakú paraguay

KURUPÍ, ÚLTIMO BICHO PILINGÜE Y VELVET-MAKÁ-URBANIZADO KE HALA Y FALA EN ESTE BLOG SU SECRECIÓN LINGUÍSTIKA, ESE PORO'UNHOL (PORTUGUÉS 10 % ESPAÑOL 70 %; GUARANÍ PIKANTE 20 %) SERÍA EN EL FONDO DEFINIBLE COMO UN SAN CULOTTISMO POÉTIKO, GRITO A CALZÓN KITADO, PENE ERECTISMO FULL TIME, UNA FALANGE ANARKO-PARA-MILITAR DE LA LETRA, UNA ALUCINAZIONE PARANOKIA-KRÍTIKA DEL DAS KAPITAL YANKEE, Y SU MAYO DEL 68 UN TSUNAMI-YIYISMO SIN BOMBACHA PRA XUXU, UN BAILE DE SAN VITO TEVINANDÍ PAGUASU!!!

viernes, mayo 14, 2010

Caballeros Solitários Rumo ao Sol Poente: Xico Sá

PRÓLOGO ∫ON THE ROCKS} PARA O LEITOR SALTA-PÁGINAS

Até a mais analfabeta das traças dos sebos deste pueblo sabe que os prólogos sao feitos para serem pulados como cercas de um latifúndio, cancelas de rodagem ou . barreiras de provas hípicas.

Um volume que tem como personagem principal um cavalo, jamais um bípede, nem mesmo um corvo miserável e agourento, é para ser lido mais aos pulos ainda.

(...)

Insisto, porém. A teimosia é a espada nua de um escriba, na velha liçao de Lazarillo de Thormes, parente muy longínquo pero distante apenas no tempo e nos mapas, insisto, digo, em urna nobre e cerimoniosa advertencia:

"No hay libro, por malo que sea, que no tenga alguna cosa buena".

Ou seja, em livre traduçao deste portunholista selvagem que nao vale um falso guarany em cédula rasgada: até mesmo no mais odiável dos compendios poderemos pescar alguma nobre manjuba perdida nos mares gutenberguianos.

Eu bebo sim em Lazarillo de Thormes e em todos os pícaros que os castelhanos estrelados ostentam.

Bebo sem culpa alguma porque o misterioso autor de fabuloso volume picaresco já estava a beber no sábio Plínio, o Velho, naturalista romano, algo semelhante cuja memória carcomida por bebedeiras tantas nao me permite um registro mais honesto.

Só o leitor que salta me importa", disse, pelo que entendemos do seu escorreito castelhanes, voz miúda, o recém-chegado el taberna dos bravos cavaleiros forjados a ferro, bronze e esquecimento.

"Ao leitor que pula páginas me dirijo. Asseguro-te que lestes todo o meu romance sem te dares conta, te tornaste s leitor seguido el tua revelia, à medida que vou te contando tudo dispersamente e antes de iniciar o romance. Comigo. o leitor que salta é quem mais se arrisca a ler seguido", deu tintas finais el tese-chiste, era de fala poca, voz miúda, don Macedonio Fernández, egresso da província de Buenos Aires, ainda com cheiro de estradas e margens perdidas.

Don Diegues de la Verga, muy amable, astronauta dos chacos paraguayos, bebia o seu composto de sete ervas guaranys ao lado do impagable Domador de Yacarés, filósofo rupestre, verdadeiro xama como todo poeta da tríplice fronteira.

El Domador hablava algo sobre a verossimilhança ou nao do amor e as suas possibles malasartes.

Bievenidos, comancheros!

Donde outro forasteiro, novidade em nuestra tertúlia, pula do seu místico biombo com os segredos típicos daquelas criaturas que vem de longe, muito longe, ponha longe nisso, de las tabernas do fim dos mundos:

"Se voces quiserem que eu conte, eu conto, mais tem de mepagar uma bebida antes, para que eu possa molhar a prosódia e agradar mi suerte" , diz o sr. Steven Brust, chamemos assim o distinto viajante igualmente empoeirado.

Sabe-se que o sr. Steven Brust toca bateria e dumbek, aquel tambor árabe da dança do ventre, numa banda gypsi-punk dos mundos tambén finais. O distinto cavaleiro, conforme a mística, sempre muda de nome para fugir das groupies-motosserras, aquelas garotas selvagens dos trópicos que decepan todos os paus, troncos e membros dos seus ídolos estrangeiros.

Na tempestade, Steven Brust estica a mao en janela com seu copo longo de uísque, enchendo-o de granizo até as bordas. Celebra a vida nos trópicos, onde se diverte, deixando para trás o passado de menino criado num castelo escuro. Agora tem o sol o dia inteiro para brincar com as mungangas da própia sombra.

Steven também bebe previsíveis cowboys qunado a melancólica besta-fera do lusco-fusco embaça seus óculos verdes com a poeira do amor ou da ira.

Steven Brust tem aquele jeitao de cigano húngaro, é o quem dizem, mas como nunca vi um cigano húngaro na minha frente, Steven continua a ser apenas aquele escriba vagabundo que encontrei na secçao Luz, sítio deste pueblo, do Sandman's Drnks, célebre no recinto por trocar boas histórias e solos de dumbeck por bebida e sexo. O que mais o diverte nesta vida é contar com a musa da encomenda e a velha da foice a bafejarem prazos fatais no juízo, pequenas biografias de assombraçoes nocturnas. Tínhamos a mesma impressao sobre o mundo, além do mesmo oficio, pelo menos é o que me ficou como areia especulativa na ampulheta do enferrujado cocoruto.

"Anjos e demonios habitam as coincidencias", disse a nuestra garota predileta, de cujos olhos saltavam melancólicos peixes de água doce e aquela fagulha de beleza que habita a alma dos esquizofrenicos desta selva. Tinha o dom também, igualmente extraordinário, de fazer pedras de gelo virarem betas, rumble fish, nos drinques coloridos dos forasteiros.

Viejo cigano. te pago todas, nos vemos mais adiante na taberna do sr. Knut, ninho das melhores narrariyas dos seres fantásticos aos quais restam apenas histórias esburacadas como os seus próprios

figados bolaños.

Cavaleiros nativos e viejos freqüentadores, perdoem-me, mas queria fazer as honras bíblicas. imbatíveis filhos pródigos, aos recém-chegados de outras fronteiras perdidas. O amor aos deserdados cativos, porém, é o de sempre. Aguardem os próximos informes de la calle e as aventuras de um cavaleiro que sabia, mais do que nunca, que a vida, a cada di a, tem cada vez menos o aroma do triunfo e cada vez mais o gosto de pólvora de um perigoso beijo em urna comprometida dama deste e de qualquer outro pueblo dos orgulhosos e destemidos bigodes de latino américa sangue-quente.

Esta é a verdadeira história, balada, fulgor e quase morte, dantes fosse, dos cavaleiros solitários.

Don Augusto Sombra, cronista de costumbres, biógrafo e andarilho, San Pablo de Piratininga, maio do ano da graça de 2006, uma das noites pontuadas pelos massivos ataques dos Gangsteres do Sol Quadrado.

No hay comentarios.: