kurupí akärakú paraguay akärakú kurupí paraguay akärakú paraguay akärakú paraguay

KURUPÍ, ÚLTIMO BICHO PILINGÜE Y VELVET-MAKÁ-URBANIZADO KE HALA Y FALA EN ESTE BLOG SU SECRECIÓN LINGUÍSTIKA, ESE PORO'UNHOL (PORTUGUÉS 10 % ESPAÑOL 70 %; GUARANÍ PIKANTE 20 %) SERÍA EN EL FONDO DEFINIBLE COMO UN SAN CULOTTISMO POÉTIKO, GRITO A CALZÓN KITADO, PENE ERECTISMO FULL TIME, UNA FALANGE ANARKO-PARA-MILITAR DE LA LETRA, UNA ALUCINAZIONE PARANOKIA-KRÍTIKA DEL DAS KAPITAL YANKEE, Y SU MAYO DEL 68 UN TSUNAMI-YIYISMO SIN BOMBACHA PRA XUXU, UN BAILE DE SAN VITO TEVINANDÍ PAGUASU!!!

lunes, noviembre 30, 2009

De a poko ñandereja'ohovo hina los nacidos en los años 20! Pavic, snif

Serbian literary figure, novelist and a member of Serbian Academy of Sciences and Arts, Milorad Pavic, has died at the age of 80 on Monday from heart failure. “When we read, it is not ours to absorb all that is written. Our thoughts are jealous and they constantly blank out the thoughts of others, for there is not room enough in us for two scents at one time,” said Milorad Pavic who was one of the most eloquent and poignant writers of the 20th century. The 80-year-old Pavic died on Monday from heart failure at the age of 80, according to Ria Novosti. Pavic’s most famous book was published in 1984 called “The Dictionary of the Khazars.” His narrative form books have been translated into several different languages. Pavic spoke Russian, German, French and several ancient languages. He even translated the works of Alexander Pushkin and Lord Byron into Serbian. Radio Srbija notes that Pavic was a professor at the Faculty of Philosophy in Novi Sad. He has also been nominated for the Nobel Prize in Literature by Brazilian, American and European experts.

“Imagínese que dos hombres tengan cogido a un puma con dos cuerdas. Si quieren acercarse uno al otro, el puma atacará, pues los lazos se aflojan: sólo si los dos tiran al mismo tiempo, el puma quedará a la misma distancia de uno y de otro. Este es el motivo por el que el que lee y el que escribe difícilmente se acercan: entre los dos, capturado, está el pensamiento en común, atado con cuerdas que tiran en direcciones opuestas. Si ahora le preguntásemos al puma, es decir al pensamiento, cómo ve a estos dos hombres, podría responder que los seres comestibles están tirando con las cuerdas de algo que ellos no pueden comer…”
Lo scrittore serbo, poeta, professore universitario, traduttore, Milorad PAVIĆ ha finito la sua vita, come a volte capita ai levrieri russi in piena corsa nelle immense steppe - stroncato dall'infarto. Nel caso di PAVIĆ, quelle steppe erano i sogni dai quali lui ricamava le parole.
Scrisse il Dizionario dei Chazari, il Paesaggio dipinto con il te', il Lato interiore del vento e molti altri sogni diventati romanzi, racconti o poesie. Non usava le parole come le usiamo noi. A volte sembrava impossibile che la lingua potesse avere quella forza, quei colori, suoni e profumi. "Lui pensa come noi sognamo", dicevano i critici. I suoi modi di dire a volte davano le carezze, sapevano curare e guarire le nostre parole personali, ferite dalla vita, cambiate o dimenticate sotto i strati del tempo mai vissuto. Ora chi curerà queste nostre parole sopravvissute alla realtà che non sa più sognare? Ci siamo conosciuti tantissimi anni fa attraverso i levrieri russi, condividendo così un incantesimo e un amicizia. A casa sua, un giorno, con la felice partecipazione dei suoi famigliari e delle due femmine di borzoi, tra le varie edizioni dei suoi libri pubblicati in tutto il mondo, mi raccontò che il Dizionario dei Chazari, prima di essere pubblicato, rimase sette anni chiuso nel casetto di un editore statale! Questa storia ci conferma che gli uomini non possono ingannare il Destino. vedo che abbraccia le sue amate borzoi, quelle che hanno visto nascere il Dizionario dei Chazari, e si allontana... mentre nell'aria volteggiano i suoni del violino di un vecchio zigano, che solo per lui suona per l'ultima volta dal Petrovaradin...
La dedica sul libro dice: "A cara Valerija tutti i nostri levrieri come sul palmo..."
Last Updated ( Monday, 30 November 2009 )
DICIONÁRIO KAZAR
"O autor actual deste livro garante que o leitor não será condenado a morrer depois de o ter lido, como foi o destino dos seus predecessores, em 1691, quando o Dicionário Khazar ainda estava na sua primeira edição e quando o seu autor ainda vivia. A propósito dessa 1ª edicão é necessário fornecer algumas informações, mas, a fim de não se estender inutilmente, o lexicógrafo propõe um acordo ao leitor: ele escreverá as suas observações antes do jantar; o leitor lê-las-á depois das refeições. Assim, a fome impulsionará o escritor a ser breve e o leitor, saciado, não achará a introdução demasiado longa."
O Dicionário Khazar conta três versões da conversão do [Khazar]: a versão cristã, a versão islâmica e a versão judaica. É um romance em forma de dicionário. O livro é composto por três dicionários em que algumas das entradas são repetidas e por vezes podem contradizer-se entre si. O livro vem em duas versões, uma versão masculina e uma versão feminina. Segundo o livro, os [Khazar] habitaram uma região lá para os lados do mar negro e foram exterminados no século IX. Pouco antes desse acontecimento, o seu chefe convocou representantes das três grandes religiões das redondezas com o intuito de escolher uma."

“…y obtendrá de este diccionario, al igual que de un espejo, tanto cuanto invierta en el mismo, pues de la verdad -como se apunta en una de las páginas de este léxico- no puede obtenerse más de lo que se pone.”

No hay comentarios.: