kurupí akärakú paraguay akärakú kurupí paraguay akärakú paraguay akärakú paraguay

KURUPÍ, ÚLTIMO BICHO PILINGÜE Y VELVET-MAKÁ-URBANIZADO KE HALA Y FALA EN ESTE BLOG SU SECRECIÓN LINGUÍSTIKA, ESE PORO'UNHOL (PORTUGUÉS 10 % ESPAÑOL 70 %; GUARANÍ PIKANTE 20 %) SERÍA EN EL FONDO DEFINIBLE COMO UN SAN CULOTTISMO POÉTIKO, GRITO A CALZÓN KITADO, PENE ERECTISMO FULL TIME, UNA FALANGE ANARKO-PARA-MILITAR DE LA LETRA, UNA ALUCINAZIONE PARANOKIA-KRÍTIKA DEL DAS KAPITAL YANKEE, Y SU MAYO DEL 68 UN TSUNAMI-YIYISMO SIN BOMBACHA PRA XUXU, UN BAILE DE SAN VITO TEVINANDÍ PAGUASU!!!

martes, diciembre 18, 2007

Los animales en la Guerra del Paraguay do Vizconde de Taunay

Durante a Guerra do Paraguai (1864-1870), o escritor brasileiro Alfredo d’Escragnolle-Taunay, o Visconde de Taunay, descreveu, em diversos textos, alguns de ficção e outros de testemunho histórico, os diferentes animais que encontrou nos “fundos sertões” no Brasil e em território paraguaio. Essas descrições, se reunidas, compõem um rico bestiário, constituído de seres às vezes fantásticos e cruéis, outras hilários e inofensivos. Este projeto, intitulado Os Animais na Guerra do Paraguai, se propõe a reunir esse bestiário de guerra virtual (disperso em centenas de páginas), o qual nos permitirá publicar uma obra bilíngüe (português-espanhol) e repensar a experiência da guerra por meio da ação, ou quase-ação, dos animais que o Visconde de Taunay descreveu minuciosamente em seus textos. Elencar os diferentes espécimes do bestiário de guerra do Visconde de Taunay, espécimes que se encontram hoje dispersos por diversas páginas assinadas por esse autor, em obras que têm como pano de fundo a Guerra do Paraguai: A Retirada da Laguna, Diário do Exército, Memórias, entre outras, que retratam ou aludem ao referido conflito e ao seu período histórico; alguns espécimes do bestiário de guerra vivem em território brasileiro, outros em território paraguaio ou na faixa de fronteira que foi disputada pelos dois países em meados do século XIX. O Objetivo é publicar um volume intitulado Os Animais na Guerra do Paraguai, volume bilíngüe de cerca de 250 páginas.

No hay comentarios.: